segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

História de algibeira (24)

O Instituto de Socorros a Náufragos foi fundado e presidido por Sua Majestade a Rainha Dona Amélia por Carta de Lei de 21 de Abril de 1892. Ficou célebre a intervenção da Rainha num emocionante e bem sucedido salvamento de um pescador na praia do peixe em Cascais.


Foto daqui

11 comentários:

Anónimo disse...

e depois?!...

JSM disse...

O amigo e companheiro joão Távora não se vai importar que eu complete a sua história de algibeira, saciando a curiosidade do anónimo. Pois muito bem, e depois?! Depois a Rainha Dona Amélia também fundou a Assistência aos Tuberculosos. Depois... corajosamente, enfrentou os cobardes assassinos de seu filho e marido naquele dia 2 de Fevereiro de 1908. Dia fatídico para os próprios mas sobretudo para Portugal.
E depois?! Depois vieram as primeiras damas que participaram activamente nas campanhas do 'sim ao aborto', enquanto alguns dos ex-presidentes e maridos se esforçavam por viabilizar as salas de chuto. E depois?! Depois o actual presidente assinou a matança dos inocentes! E depois?! Depois se verá como vai correr a previsível legalização da eutanásia!
E depois?!

Anónimo disse...

JSM, é de facto de génio!!!

Inácio Hilário Saavedra disse...

¿Por qué no te callas, jsm?

Inácio Hilário Saavedra, procurador

Pope disse...

E 'antes' tinha vindo o Nuno alvares Pereira que tinha mandado para casa os que falavam espanhol...

Anónimo disse...

monárquicos = soberbos elitistas!

JSM disse...

Não diga disparates e liberte-se dos seus complexos de inferioridade. Monárquico é o povo espanhol, holandês, japonês, canadiano, tailandês, sueco, norueguês, etc. etc. e o povo português, se o deixassem ser (não me refiro às elites burguesas e urbanas). Sabia que tal como a 'europa' a republica nunca foi referendada, e também tinha sido prometido um plebiscito popular. O próprio João Soares já admitiu essa falha... democrática. Um último conselho - não veja a monarquia por aquilo que escrevo, melhor ou pior, ou por ua imagem distorcida que lhe foi inculcada pela propaganda, mas pelas virtudes que esse sistema político teria para Portugal. Sem a monarquia não existiríamos como Pátria independente, seríamos uma mera região da peninsula, tal como a Galiza ou a Catalunha, e falaríamos castelhano. Há quem prefira esse cenário, como se vê pelo andar da carruagem! É isso que quer?! Não acredito que queira renegar a sua história.

Anónimo disse...

JSM, afinal você está a viver os problemas do séc. XII, ou por aí? Não será uma problemática, mais do que serôdia, anacrónica, a sua? E se se deixasse de lutas individuais e recentrasse a sua imensa e inesgotável energia e a pusesse inteiramente ao serviço da Igreja?

JSM disse...

Caro anónimo
Naturalmente que esse seria um caminho, provávelmente mais útil, mas nessa circunstãncia seria do púlpito que teria de denunciar o 'complot' contra a Igreja. Nada mudaria, a não ser o hábito ... que não faz o monge.
Cumprimentos.

Anónimo disse...

JSM, Igreja = monarquia ?

o abominável homem das neves disse...

JSM já a meter os pés pelas mãos! hahaha!!

J.S.M.= Ja Sumiu a Monárquia!!! A monárquia portuguesa já era há muitos anos!