terça-feira, 20 de novembro de 2007

Defensor de Chávez

Por estes dias, neste verão, visitou Portugal a 14ª reencarnação do Dalai Lama. O governo da república achou por bem não receber oficialmente tal dignitário para não ferir as susceptibilidades de Pequim.
Por esses dias, neste verão, o governo da nação não conseguiu haver-se com adolescentes mentais, com barba mal semeada, que lançaram mão da colheita transgénica de um malfadado lavrador.
Por estes dias, já inverno, o governo da república esforça-se por conseguir trazer a Lisboa Mugabe, reencarnação ágil dos ódios tribais facínoras africanos. Acresce a vontade de Lisboa em ver consumada a humilhação da Servia cristã ortodoxa face ao Kosovo que se pretende entregar à Albânia, oferecido pelos EUA à hegemonia muçulmana internacional (dizem as más línguas que a troco de alguma contenção árabe no médio oriente em relação a Israel).
Por estes dias, ainda, homens de barba rija, nas barbas das autoridades que representam a soberania e o governo da nação, brincam a sério aos cowboy’s nas ruas das nossas cidades.
Por estes dias, também, de manifesto mau tempo, um herói boçal que trafica petróleo numa gigantesca estação de serviço na América do Sul, é recebido por estes lados como Chefe de Estado. Embora seja incapaz de articular uma ideia, é muito rápido a puxar do rifle dos insultos e a disparar. Foi capaz, mesmo, de irritar o rei mais vegetariano que a Espanha deu ao mundo, notável pelo seu estômago abrangente (primeiro papou o Franco, depois banqueteou-se socialista, mastigou convicções católicas, e agora consegue usar os sapatos apertados que o actual Primeiro Sinistro lhe ofereceu, sem dar sinais de indigestão…), mas manifestamente indisposto pelo indecoro do gaúcho gorducho.
Serviram estes dias, portanto, para dar a conhecer o ADN de José Sócrates, descodificado nestes seus gestos. Com soberana probabilidade percebe-se que o componente químico primário de que são compostos os seus cromossomas e o material de que são formados os seus genes é, não o ácido desoxirribonucleico, mas, isso sim, gel pinoca, para a fotografia, geleia adocicada, para oferecer aos hóspedes, gelado rijo, tal a frieza da sua ética, e gelatina trémula, tal a inconsistência desta milésima reencarnação da safadeza.

3 comentários:

JSM disse...

Cada tiro cada melro, retrato a corpo inteiro da política oportunista, própria de invertebrados. Apenas um reparo: não se pode exigir mão livre a um Rei algemado a uma Constituição. Em 2008 teremos todos oportunidade de evocar a coragem de um Rei português que desafiou o rotativismo batoteiro, para pôr o País nos eixos! Foi o Rei Dom Carlos! Pagou com a vida, miserávelmente assassinado por carbonários ao serviço de interesses estrangeiros. Teremos tempo para a memória.
E volto ao princípio, excelente texto.

pt-livre disse...

http://www.olavodecarvalho.org/

Anónimo disse...

Caro Pope,

É uma delícia ler as suas intervenções.