sábado, 17 de novembro de 2007

Sócrates e o Tratado de Lisboa

A menos de um mês de ser (ass)assinado o Tratado de Lisboa

Leis psicológicas que desconheço, acasos e escolhas pessoais, podem fazer de uma pessoa alguém inchadíssimo no seu ego, sempre ávido de sucesso e visibilidade.
Sócrates tem no seu ADN o registo de uma grande combatividade e voluntarismo. Fantástico e de valorizar numa nação desde há 30 anos muito, muito cansada.
Mas isso não prenuncia que se esteja diante de alguém notável, embora se note muito a sua presença.

Pode um homem menor ficar para a história como um grande personagem? Apenas como anedota, ou melhor, como um nome acerca do qual se contam histórias mais ou menos engraçadas. Não acredito que quem tem por conteúdo principal do seu pensamento registar-se no Guiness europeu de novidades seja um personagem notável. Os acordos de Lomé (1975) não celebrizaram o Togo nem o seu primeiro ministro, cujo nome não sei, nem quero lembrar... Tão pouco Lomé II (1979). Nem Lomé III (1984). Ou ainda Lomé IV (1990); mas, no seu âmbito próprio, convenhamos que foram marcos muito importantes na história dos tratados celebrados pela União Europeia.

Não acredito que o que falta ao mundo, e a esta parte do mundo que se chama Europa, seja um tratado que arruma as competências das partes em torno da proeminência dos países grandes e das vantagens económicas deixadas aos países pequenos.
Um Tratado que não deixa os povos pronunciarem-se é coisa de tratantes.
Um Tratado que assim nos trata obriga-nos a dizer-lhes para irem tratar-se.
Um Tratado que faz da Europa um club de bem estar sem ideais, sem responsabilidades, sem pretensões de correr riscos fora de muros, choca os seus mortos. De tal modo que conseguiram por Carlos Magno, Afonso Henriques, Filipe o Belo, D. Manuel e Carlos V, Napoleão, Bismarck e Disraeli abraçados e a chorar. Enigmaticamente, porém, qual Gioconda sagaz, algures no além, vê-se Salazar a sorrir(-se)…

Creio que desta vez, e com razão, os povos da Europa, a seu tempo, se encarregaram de fazer uma oportuna e legítima IVG.

3 comentários:

Professor Howdy disse...





There is a time for everything,
a season for every activity
under heaven. A time to be
born and a time to die. A
time to plant and a time to
harvest. A time to kill and
a time to heal. A time to
tear down and a time to
rebuild. A time to cry and
a time to laugh. A time to
grieve and a time to dance.
A time to scatter stones
and a time to gather stones.
A time to embrace and a
time to turn away. A time to
search and a time to lose.
A time to keep and a time to
throw away. A time to tear
and a time to mend. A time
to be quiet and a time to
speak up. A time to love
and a time to hate. A time
for war and a time for peace.

Best wishes for continued ascendancy,
Dr. Howdy

P.S. Here's some blogs & videos
that I found of interest as
I negotiated my way through
cyberspace:


Every Student
My Blog Video
Religion Comparison
Avoid This Place
Danish Cartoons
Arabic Cartoons
Muhammad or Jesus???
Answering Islam
Is Jesus God?
A Short Look At Six World Religions
God's Word in different languages...
How to become a Christian
Who Is Jesus?
See The Word
Watch The Jesus Movie
Spanish Cartoons
German Cartoons
Chinese Cartoons
Italian Cartoons
Greek Cartoons
Japanese Cartoons
Portuguese Cartoons
Around the Well
French Cartoons
Hindi Cartoons
Russian Cartoons
Little Girl
Get Saved?
You & Sin City
Mysterious Disappearance
Evolution Video
The Departure
You Need To See This
'Thought & Humor'


Tell me sometime what your
thoughts are about all this:O)

Anónimo disse...

Dear Pope,

I agree! Unfortunatelly, I may say...

[Lis' ban -tr'i:ti], ou
'A Treta de Lisboa'

É como será conhecida, para o futuro, no melhor inglês técnico de que Sócrates é capaz, a assinatura de mais uma Certidão de Óbito a Portugal e à Europa.
Pena é que a Glória de uns seja tão diferente da de outros: que uma cidade/capital seja assim associada a tamanha inglória, é decerto, pecado capital!
Abraço em Cristo!
Por extensão, o Nosso Reino também não é deste mundo!
CatFons

Anónimo disse...

Ainda que nos deixe completamente preplexos, sabemos que a vitória está em Cristo e que n'Ele repousa a nossa confiança num mundo melhor.

Por esta e por outras que devemos continuar a rezar pelos nossos governantes, na certeza de que não há impossíveis para Deus.