quarta-feira, 3 de outubro de 2007

Ainda o tratamento por tu

Creio que o tratamento dos pais por 'tu' corresponde a um desejo de maior proximidade e comunicação na família, o que eu mesmo considero estimável. Todavia, o mesmo resultado poderia ser alcançado doutros modos...
No entanto, parece-me que seria importante considerar que tratar os pais por 'tu' esconde, ou falsifica mesmo, a realidade, que os colocou (aos pais e aos filhos) em patamares de responsabilidade diferente. Assim, o 'tu', que indicia 'igualdade', é uma formalidade que depois irá ser desmentida no uso da legitima autoridade paternal, que, se o for, não é nunca um exercício de 'igualdade'. A diferenciação de tratamento, que JSM nos convida pertinentemente a reflectir no seu post, apenas pede que se acolha a realidade: há papeis diferentes, nomeados diferentemente. Parece-me que esta questão tem ainda que ver com duas outras: o medo que o tema 'autoridade' evoca na mentalidade dos educadores, estereotipadamente democráticos, e algum eco de sentimentalismo 'roussouniano/marxista' que sugere uma sociedade sem classes (coisa que sempre resvalou para uma sociedade sem classe...). Lembro, aliás, que segundo Zita Seabra, todos os camaradas tratavam Cunhal por 'tu' e ele, na volta, agradecia e mandava 'democraticamente' neles todos - sob farsa da igualdade, a ditadura do mais forte. As pessoas que conseguem fazer distinções são sempre as pessoas que se distinguem- da música à ciência, do desporto à esolha dos vinhos. O cristianismo ensina, promove e multiplica as distinções: Deus/homem; céu/terra; Liturgia/vida de trabalho; Amor/ascese. E cada uma destas 'realidades' tem nomes, farda, formalidades próprias. Não por 'formalismo' mas por desejo de unidade, que é uma coisa muito diferente desta moda ideológica da igualdade que teima em tratar similarmente o que por natureza é diferente.

12 comentários:

Anónimo disse...

Popalvo e JSM,

Dois boçais a falar de bom trato e boas maneiras...

Anónimo disse...

Nesta nova forma de interacção virtual, a que chamamos ‘blogosfera’, os insultos aos autores dos blogues/postais, acabam por atingir todos os seus leitores, insultando-os de igual modo.
Fui insultado, no comentário do Anónimo das 10:59, na condição de leitor habitual, ou de visitante frequente desta Casa. Lamentável já que repetidamente é recorrente nessas atitudes!
Embora a paciência do humilde tenda para o infinito, o certo é que “quem não quer é como quem não vê”!
Difícil é viver a Liberdade, em liberdade!
Bem hajam.

Takitali

Idalino Heitor Silva disse...

JSM e Pope já mostraram à saciedade não merecer respeito!

Há-de reparar que não andamos a fazer qualquer comentário no interregno.blogspot.com. O autor é aí livre de dizer as asneiras que quiser.

Neste blog, lamentamos, mas já dissemos que em assuntos da Igreja não passamos à frente. Como sabe, se é leitor desta casa.

Saudações cristãs,
Idalino Heitor Silva, porta-voz.

Anónimo disse...

E um comentáriozinho á matéria
do colégio do Sr. Heitor ???
M.Lobo

Jane Eyre disse...

Quais e que saudações supostamente cristãs são estas que algumas vezes vejo em algums comentários?!
Não percebo, parecem-me cristãs mas pouco.

JSM disse...

Eu tenho uma teoria: eles descobriram-se zelotas do templo! O templo é o blog! Como não têm voz nem opinião próprias, arranjaram um porta-voz. Continua a faltar um porta-pensamentos, mas esse é outro problema. Agora reparo que ofendi os zelotas, estes preocupavam-se com a pureza doutrinal dos textos e do rito. Ao contrário, estes voluntários que por aqui aparecem, não gostam de ler, não ligam aos conteúdos, preocupam-se apenas com vistos e carimbos, ou fichas de identificação! Eu vejo-os mais como polícias de segurança e defesa do estado... Numa versão mais benigna, anjos da guarda que me querem defender de mim próprio!
Se for assim, agradeço-lhes o incómodo, mas não vale a pena... e não me insultem. Combinado.

Anónimo disse...

Vá chuchar no dedo.

Anónimo disse...

Lemos tudo o que disse e o blog inteiro!...

Credibilidade é coisa que você não tem e é por isso que já não lemos o que diz.

Você não passa de um puto estúpido.

Anónimo disse...

P.S.

E se não colocamos os posts no sítio certo, é porque sabemos que já ninguem irá ler os seus posts antigos. Próprios de um atrasado mental.

JSM disse...

Então! Faltou a saudação cristã! Onde andará o porta-voz?! Assim não pode ser! A comentarem todos ao mesmo tempo, ninguém se entende.
Saudações cristãs.

Anónimo disse...

Saudações cristãs!

gralha disse...

Considero-me relativamente conservadora, fui criada dessa maneira e acho que há valores essenciais que não prescindo na educação do meu filho. Mas não consigo compreender qual é o problema no tratamento por tu entre pais e filhos (e avós, já agora). Tudo depende da atitude com que se faz e não me parece mesmo que haja menos respeito nem consideração pela posição diferente entre cad um. Sempre soube que o meu pai era meu pai e não amigo nem colega de carteira e sempre o tratei por tu (e ele trata-me por você).