quinta-feira, 25 de outubro de 2007

Um País de Feijões

O João tem 12 anos. Em Dezembro do ano passado, na escola estatal onde anda, um professor pediu-lhe para responder a um inquérito da iniciativa do Instituto da Droga e da Toxicodependência. Entre outras, continha as seguintes perguntas:

"O teu pai, ou substituto
… insulta (a sós ou na presença de outras pessoas) a tua mãe?
… bate (dá pontapés, murros, puxa cabelos, etc.) à tua mãe?
… impede-a de falar ou de estar com familiares ou amigos?
… impede a tua mãe de ter acesso ao dinheiro?
… obriga a fazer vida sexual com ele contra a vontade dela?


Isto passou-se com o João e com mais 100 mil alunos, dos 11 aos 18 anos, de 800 escolas do nosso pais.

O João contou ao pai, e o pai indignou-se. Protestou e o assunto veio a público.

Soube-se na altura que a coordenadora do projecto (que contou com o aval dos Ministérios da Saúde e da Educação), uma senhora chamada Fernanda Feijão, ficou muito surpreendida com a “tempestade num copo de água” que se verificou, entendendo que o trabalho é “rigoroso, equilibrado e sereno”.

O assunto provocou consenso na indignação, parecendo deixar a Srª Feijão isolada na sua serenidade. Foi até a um debate mensal na A.R., tendo Sócrates afirmado na altura: "o inquérito, no meu ponto de vista, é um inquérito que não faz sentido. Foi um erro e temos de corrigir esse erro para que não se repita no futuro".

Um processo de averiguação interna foi aberto pelo Ministério da Saúde.

Passaram-se 9 meses. E este episódio acaba agora da seguinte forma:

O Sr. Provedor de Justiça enviou um ofício ao Sr. Presidente do IDT a fazer recomendações no sentido de “assegurar que os problemas não se repetirão no futuro”. Neste ofício, o Senhor Provedor dá como certo que as perguntas polémicas foram incluídas no inquérito “por iniciativa própria da coordenadora do projecto (a Srª Feijão), sem que se alcance de onde emanou a sua legitimidade técnica para aquela tarefa”. Destaca a sua “falta de competência profissional e de aptidão científica”. E não isenta a direcção do IDT de culpas.

O Dr. João Goulão, presidente do IDT, reconhece o erro e “encara com naturalidade as propostas do provedor”. Mas deixa claro que “não houve lugar a penas disciplinares aos técnicos envolvidos”.

Conclusão:

A Srª Feijão lá continua, trabalhando com “rigor, equilíbrio e serenidade”.

O Sr. Provedor e o Dr. Goulão lá continuam, proporcionando condições de trabalho “rigoroso, equilibrado e sereno” às muitas senhoras e senhores Feijão.

E nós, cá continuamos… a ter que aturar isto, com “serenas” caras de … Feijão!

4 comentários:

Anónimo disse...

Impressionante! O Goulão papa a comunicação social toda a feijões...

joana disse...

Ipressionante!Obrigado Rita por este texto tão esclarecedor, sobre o que se passa nas escolas oficiais.

Anónimo disse...

Pois é. É a irresponsabilidade. Valor tradicional português...

SIdeias disse...

Sugestão para o próximo questionário "rigoroso e técnico" do IDT:
-"Com que idade pensas começar drogar-te?"
-"o teu 1º charro:a)gostavas de o enrolar à mão; b)com máquina de enrolar; c)comprar já feito"
-"Antes do 1º consumo, pensas pedir conselho:a)ao teu pai(enquanto bate na tua mãe..); b)à tua mãe (depois de apanhar do teu pai...); c)ao dono da tabacaria

Enfim, poderiamos continuar a contar 'feijões'...
Sempre gostei de colaborar com 'coisas' técnicas!!!