sexta-feira, 22 de junho de 2007

A imaturidade da materialidade


O título quase parece uma tese de mestrado em teologia, mas a ideia é muito simples. Para fazer render o peixe, só o digo no fim. Trabalho numa empresa dedicada à comunicação e marketing, profissão muito na moda nos dias de hoje, cujo principal fito é transformar produtos em marcas e marcas em culturas. Isto para valorizar os mesmos e criar uma apetência extraordinária do materialismo. E, ao que tudo indica é um sucesso. Plagiando Eco, o segredo é que não existe segredo e este sucesso deve-se à racionalidade instalada e a ausência de ideais. Ter é ser e parecer ainda é melhor porque não se tem o trabalho de ser. De facto, a ausência de esforço parece ser uma mais valia dos tempos de hoje. A simplicidade e o prazer são os motores de busca do indivíduo que almejam querer. E querer quer dizer objectos mas também o cúmulo do materialismo - o espiritual: sentimentos, ideias e pessoas. Querer, obviamente, para ser. Portanto, esta sociedade que procura a saciedade acaba por cair no auto-fágico.

Não vejo coisa pior do que reinventar o passado com a promessa do futuro. Por isso escuda-se a espiritualidade com a racionalidade, o comportamente com caprichos e os ideais com ideias. Mas o que isto tudo faz lembrar-me dos meus filhos e o meu papel de os fazer crescer para além do querer, do poder e do ter. Mas também tenho noção da minha materialidade. Mas lá diz o ditado que de crianças todos nós temos um pouco. E um pouco não é muito. É suficiente.

5 comentários:

Anónimo disse...

Sr ou Sra Bissolvon:
A escolha deste seu falso nome é ilucidativa do que escreve. Para muitos de nós o Bissolvon foi o melhor sucedâneo do Oleo de Fígado de Bacalhau ou seja intragavel.O seu texto não direi que é intragavel, mas revela o pretensiosismo de quem para dizer coisas simples usa o mau gosto e de quem tenta convencer quem o lê com o seu proprio sucesso...apesar da imaturidade propria da criança que há em si, por sorte, em dose adequada!
Notavel!Quando se pensa que já se conhece tudo...aparece um bissolvon Linctus, pela certa, que também dá palpites sobre os males do País!

Anónimo disse...

Nao é meu hábito, nem jeito, intervir neste "espaço"... mas oh Bissolvon, PARABÉNS!!!

E não é que espelhar e denunciar realidades continua a ser tão dificil de digerir para alguns!!!...

É que é logo para ofensa...

Se a similaridade é à do óleo de figado, então a resposta ta dada:
já dizia a minha avó "anda filha, custa a tomar, mas vais ver o bem que te vai fazer".

Ehhh eh ... É que mesmo antes de ler o post, só de ver o nome já ria...

É lindo!

Abraço

MRC disse...

Olá Bissolvon
Muitos parabéns pelo seu post.
Quanto às ofensas, agora está na moda.
O pessoal que defende a bestialidade anda por aí a chamar nomes ao que pensam de forma diferente, contra a moral do "establishment" socialista.
Quando nos começam a insultar é porque acertámos na mouche.
Adelante.
Os cães ladram e a caranava passa

Jane Eyre disse...

boa, parabéns para o bissolvon, para o anónimo 2 e para o mrc!

Bissolvon disse...

Caros amigos - e outros que menos.

Obrigado pela força e pelos impropérios. Para estes últimos, não era minha intenção vilipendiar mas já que chegaram, bem vindos!

Para não me escudar atrás do anonimato,tornei público o meu mini-perfil, que não estava activo por lapso.

Bj e abraços (indiscriminadamente mas respectivamente)