sexta-feira, 22 de junho de 2007

Se eu fosse lisboeta…

Nasci na Junqueira, na freguesia de Alcântara, na mesma casa onde nasceu o meu pai, mas não me sinto lisboeta com a mesma vaidade de muitos milhares de portugueses que se afirmam como tal. Eu compreendo, Lisboa representa a compensação por tudo o que ficou para trás, a aldeia que os pais ou avós tiveram que abandonar procurando na capital um melhor sustento. Além do mais a cidade é do Império e de quem a ocupa quando ela se esvazia aos fins-de-semana, como é patente no Rossio ou na Avenida.
Vivo hoje na margem sul, defronte de Lisboa e por essa razão não estou inscrito nos seus cadernos eleitorais, mas não deixei de me preocupar com o seu futuro, e é por isso que não compreendo como é que alguém que se intitula candidato à Câmara de Lisboa possa propor o desmantelamento e a destruição do aeroporto… de Lisboa!!! Para aí construir prédios ou seja o que for, enquanto vai dizendo que o aeroporto de Lisboa fica… na Ota! A sessenta quilómetros de Lisboa.
Que um governante venha dizer que Portugal precisa de construir um grande aeroporto, dentro de uma perspectiva estratégica de desenvolvimento e concorrência peninsular, isso eu compreendo e haveria que estudar e decidir a melhor localização para o efeito, mas nunca à custa do aeroporto da Portela, aeroporto que a cidade possui á semelhança das suas congéneres europeias.
É por isso que eu não entendo quem são os ditos lisboetas, que de acordo com as sondagens, se preparam para votar em António Costa, que não é mais que um candidato do governo… à Câmara de Lisboa!

1 comentário:

takitali disse...

Poucos saberão que Lisboa, em tempos, esteve entre as mais modernas Capitais Europeias, e hoje em dia como muito bem diz, e eu sublinho, a Portela de Sacavém é um “aeroporto que a cidade de Lisboa possui á semelhança das suas congéneres europeias.” , não faz sentido ser desactivado muito menos deixar de existir.
Também eu não entendo quem são os lisboetas, que irão votar num candidato à presidência da Câmara Municipal, que já anunciou publicamente uma barbaridade dessas!?
Mas - ..."Há coisas fantásticas, não há???..."