quarta-feira, 2 de maio de 2007

Assim se vai na desportiva rebentando com tudo...

A Srª D. Rita Ferro escreveu, e publicou, um livro. Até aqui, tudo (aparentemente) normal, até porque não se trata sequer da sua primeira obra, e, nos dias que correm, anormal mesmo, é não ter escrito e publicado um livro.
Não conheço a obra a que me refiro, mas não resisto a citar a forma como foi apresentada no jornal onde li esta notícia: “A ultima coisa que fez (Rita Ferro) tem o sugestivo título de ‘Sexo na Desportiva’.” Não é na ‘coisa’ que me quero deter, pois como já disse (é com alívio), que não lhe conheço o conteúdo. Mas, preocupa-me que esta senhora venha ‘confessar’ publicamente, a (des)propósito das suas transgressões amorosas, o ressentimento que guarda da educação que recebeu. Melhor será dizer: que não recebeu! Saiba-se portanto, que o ‘podre’ que a atormenta, é o facto de ter casado virgem com o seu primeiro marido. Segundo a própria, tamanho absurdo foi fruto da dita, educação ultraconservadora.
Espantada, consultei o dicionário, e foi com alívio, que em frente da palavra ‘conservar’ li: manter; guardar bem; não perder! Conservadora, é aquela que conserva. E é disso minha senhora que se trata! De fazer por guardar (no) bem os que nos são confiados, para que não aconteça que, (ultra)experimentando aqui e ali, cheguem ao momento do ‘sim’, sem se conseguirem ultrapassar a si próprios, ficando escravos do consolo instintivo, e daquilo que parece ser o motor da cultura actual: o baixo ventre!!
Por favor, parem para usar a inteligência com a liberdade que conserva, porque na desportiva, vão rebentando com tudo!

6 comentários:

Anónimo disse...

literatura light <-- light mind <-- educação leviana

Anónimo disse...

no comments

joaquim disse...

É por essas e por outras que não leio tais escritos.
Aliás, nunca houve tanto "escritor/a" neste país.
Que educação dará a referida Senhora aos seus filhos?
Abraço

padeiradealjubarrota disse...

É triste quando alguém critica a educação que recebeu, sobretudo quando se pensa que esta foi dada como sendo a melhor.

MRC disse...

Apesar destes devaneios, próprios de quem está na fase de trauma pós-menopausa, o que é certo é que a senhora, corajosamente, deu a cara pelo "não" durante a campanha para o referendo.
Isso dá-lhe algum crédito. Mas agora parece que está na moda as escritoras em crise existencial...

Anónimo disse...

Cuidado com os deslizamentos, mrc...

Cavaleiro Andante