quarta-feira, 4 de abril de 2007

Triste é que o doido faça escola...

“...todo o esforço sério feito no sentido de convencer os homens que entre o Homem e a coisa há diferenças notáveis e essenciais só pode ser proveitoso à causa do Homem(...) É verdade que as fórmulas aprovadas continuam a considerá-lo como se ele «assim» não fosse, e não resta dúvida que o Homem se dói com a cura que se lhe impõem. Está-se como o doido que descobrisse que o corte da cabeça era o melhor remédio para as suas dores. Triste é que o doido faça escola e crie discípulos e imponha cortes de cabeça até aos que, de impotentes, nem já se queixam de males.”
António Alçada Baptista, 1955


Este texto de 1955, é para mim de uma impressionante actualidade. Leva-me a pensar na dureza das ‘cabeças’ (e dos corações!) que permanecem hoje sob a ameaça de serem cortadas em nome da dita liberdade.

“Triste é que o doido faça escola e crie discípulos e imponha cortes de cabeça até aos que, de impotentes, nem já se queixam de males.”, com estas palavras, como não pensar na ‘loucura’ imposta ao nosso país com o referendo do dia 11 de Fevereiro. É imperativo que contra isso se continue a gritar a Verdade! Não quero que um poder cego me venha (e aos que são meus) cortar a cabeça, para que tenha melhor qualidade de vida (e enunciando todos os refrões apregoados pela cultura dominante...). Não é preciso muita filosofia para perceber que sem cabeça não se vive: Morre-se!

Não tenho intenção de vir aqui criticar só por que sim, para simplesmente ser do contra. Isso acharia um sinal de falta de vitalidade. Também eu quero ser discípula, e venho aqui porque tenho uma Escola, porque tenho Mestres, porque tenho uma Casa! Quero colocar-me “Fora de Estrutura”, porque quero estar com estes que na amizade me têm ensinado que a verdadeira crítica está sempre alicerçada na Verdadeira ‘Estrutura’ da Verdade. Espero deste espaço, que seja proveitoso à causa do Homem! Pelo menos o Homem (Mulher...) que sou eu, e os que estamos juntos nesta aventura bloguista. Que o que aqui se vai passar, faça sempre justiça ao apelo do querido Papa: ‘Homens, sede Homens’!

2 comentários:

joaquim disse...

E o homem(mulher) só tem sentido em comunhão com Deus e os outros homens(mulheres) e participando assim, por vontade de Deus, na obra da Criação,em todas as vocações a que Deus o/a chama, entre elas o Matrimónio e a Maternidade.
Abraço em Cristo

Pergunta talvez indiscreta: És irmã do António?
Estou no queeaverdade.blogspot.com

SIdeias disse...

Não. Sou prima.